A oposição e a busca pelo "NOVO".inclui velhas práticas.

muito comum se ouvir de alguns opositores da atual situação a tentativa de se colocarem como "NOVO". Ora, o que é o "NOVO"? Segundo indica o dicionário, "NOVO" significa: “o que nasceu ou apareceu recentemente”.
Se for observado e analisado a partir das primícias da política timonense, pode ser observado que todos os atuais pré-candidatos a prefeito de Timon, ou vieram do Grupo Leitoa (Maioria) ou do Grupo Sarney.
                           Senão, vejamos: Socorro Waquim foi ex-secretaria de educação do ex-prefeito Chico Leitoa; o ex-vereador Jaconias foi eleito pela primeira vez fazendo parte da Juventude do PDT, e seu irmão, atual vereador, até uns seis meses atrás, fazia parte da base política do atual governo municipal; o vereador Henrique Junior, com a Família, sempre teve estreitas ligações com o grupo da ex-prefeita Socorro Waquim; o tenente-coronel Shinayder, até pouco tempo, derramava elogios a atual administração e, inclusive, conseguiu emplacar sua senhora na secretaria de educação; o pré-candidato Alexandre Almeida foi vereador no governo Socorro Waquim, posteriormente, foi detentor de dois mandatos de deputado estadual, chegou a líder do governo Roseana e não conseguiu fazer nada de novo para Timon; o vereador Leandro Belo aparece correndo por fora, mas também, ao longo dos anos, mostra estreitas ligações tanto com a atual gestão quanto com antigos nomes da política brasileira, como exemplo, podemos citar o deputado federal Gastão Vieira.
Então, caros leitores, podemos ver que o "NOVO" não passa dos mesmos candidatos que sempre aí estiveram ou no poder ou próximos a ele! Contudo, fica a dica: cuidado com o "NOVO" que se apresenta. Na hora de escolher seu candidato, vamos julgar pelo trabalho prestado à cidade. Assim, existe a possibilidade de sair uma boa escolha.
                           Como diz aquela música do grupo O Rappa: “O NOVO já nasce velho”.

Comentários